Fechar
Popup
 

+55 41 3074-0300
Whatsapp +55 41 98826-9302

Segunda à sexta-feira 8h - 12h e 13h:30 - 18h
  • Acompanhe
  • Acompanhe
  • Acompanhe
  •  
     
     
    5409 visualizações
  • Apagar a Luz
  • Compartilhar
  • Compartilhar
  • Acender a Luz
  • Compartilhar
  • Compartilhar
  •  
    7 Passos para Proteger os Trabalhadores da Manutenção
    O Programa de Controle de Energias Perigosas (PCEP) é um programa de segurança voltado aos trabalhadores envolvidos em manutenção, assistência técnica e setup de máquinas, equipamentos ou sistemas. Através de procedimentos, dispositivos específicos e treinamentos, o PCEP garante o controle sobre energias com potencial de risco às pessoas, meio ambiente e instalações, tais como elétrica, hidráulica, pneumática, entre outras. O ato de bloquear é comumente conhecido como LOTO, que vem do inglês LOCKOUT&TAGOUT, e quer dizer bloqueio e etiquetagem.
     
    1 - Criação de um GT para o PCEP
    1 - Criação de um GT para o PCEPPor haver muitas questões técnicas envolvidas na implantação de um PCEP, propomos a criação de um grupo de trabalho multi-especialista para discussão e direcionamento do trabalho na unidade. Isso resulta em maior agilidade e velocidade na implantação através de divisão e coordenação de tarefas. A similar terá representação formal neste grupo até a conclusão do projeto.
    A missão principal deste grupo será a viabilização da criação de procedimentos de LOTO, elaborados a partir da definição das situações prioritárias com base no risco e recorrência da manutenção.
     
    2 - Mapeamento das energias perigosas
    2 - Mapeamento das energias perigosasO conhecimento sobre todas as energias envolvidas em cada equipamento é fundamental para a decisão de quais pontos devem ser bloqueados em cada situação. Concluímos que existem muitas situações de alto risco relacionadas à liberação acidental de energias perigosas e, portanto, prevemos o mapeamento dos pontos de bloqueio. Estas análises poderão ser disponibilizadas aos funcionários responsáveis pelo bloqueio e servirão de guia para o procedimento, esclarecerão quais DIE devem ser operados, além de indicar quais dispositivos de bloqueio serão utilizados em cada local de instalação.
     
    2 .1 - Avaliação de não conformidades para o LOTO
    2 .1 - Avaliação de não conformidades para o LOTODe acordo com a nossa experiência, percebemos que muitas instalações não estão aptas para o CEP. Além disso, quebras e desgaste devido à utilização acabam por dificultar ou até impedir a aplicação adequada dos bloqueios & etiquetagem. Neste caso, faz-se necessária a avaliação das instalações mapeando as energias perigosas de cada situação, identificando as não conformidades e indicando oportunidades de melhoria das instalações. Com isso, teremos a chance de corrigir falhas e garantir a aplicação integral do LOTO.
     
    3 - Seleção de dispositivos de bloqueio e etiquetagem
    3 - Seleção de dispositivos de bloqueio e etiquetagemDevido a grande diversidade de dispositivos de isolamento de energias (disjuntores, válvulas, etc.) e as várias opções de bloqueio disponíveis, prevemos neste passo a definição dos dispositivos de bloqueio a serem adquiridos. Neste passo vamos definir as quantidades necessárias, forma de armazenamento dos bloqueios e a disposição dos mesmos na fábrica. Com isso garantiremos a disponibilidade dos dispositivos para cada demanda de maneira prática e sistematizada.
     
    4 - Confecção de instrução de bloqueio para cada tipo de dispositivo de isolamento de energia
    4 - Confecção de instrução de bloqueio para cada tipo de dispositivo de isolamento de energiaUma das habilidades necessárias aos executantes do LOTO será a escolha adequada do bloqueio para cada aplicação. Além disso, este funcionário deverá saber manusear cada dispositivo. Pensando em facilitar este processo, vamos confeccionar uma instrução de aplicação do LOTO para cada tipo de DIE encontrado. Então, além dos treinamentos, o funcionário terá acesso a este documento, disponibilizado nas estações de bloqueio que servirá como manual de instalação de cada dispositivo, sanando eventuais dúvidas de aplicação.

     
    5 - Elaboração de procedimentos de bloqueio por máquina
    5 - Elaboração de procedimentos de bloqueio por máquinaAs técnicas de produção atuais dependem de alta disponibilidade das máquinas o que demanda das equipes de manutenção, intervenções no menor tempo possível. Esta realidade pode comprometer a análise das energias perigosas dos equipamentos no momento da manutenção. Para resolver esta dificuldade indicamos a elaboração prévia de procedimentos de LOTO para cada equipamento tal como é previsto na norma internacional OSHA 29 1910.147. Este documento conterá a relação de todas as energias da máquina, com informação do local onde será feito o isolamento e o bloqueio, o método de aplicação e o dispositivo de bloqueio a ser utilizado. Este procedimento poderá ser impresso e afixado junto à máquina, tornando muito mais fácil e rápida a aplicação dos bloqueios e garantindo que a máquina esteja totalmente desenergizada.

     
    6 - Treinamento sobre o PCEP
    6 - Treinamento sobre o PCEPPor se tratar de um conhecimento pouco difundido e haver a necessidade de uma mudança na rotina tradicional de trabalho dos executantes do bloqueio (responsáveis pela aplicação do LOTO), indicamos para estes profissionais um treinamento teórico e prático, visando sua formação sobre o PCEP. Propomos inicialmente turmas distribuídas entre os turnos de trabalho com até 20 participantes cada. Dessa forma os funcionários autorizados terão o conhecimento necessário para o bom andamento.
     
    7 - Diagnóstico
    7 - DiagnósticoBaseados em nossa experiência, entendemos que o uso do LOTO tende a diminuir com o passar do tempo por diversos motivos. Mudança de foco, falta de cobrança, dificuldades encontradas no dia-a-dia, entre outras razões. Desta forma, faz-se necessário uma avaliação futura do andamento do PCEP com o intuito de encontrar oportunidades de melhorias e ajustes de conduta no processo. Assim, propomos duas datas para este trabalho: a primeira quatro meses após a conclusão do projeto e a outra doze meses depois.